Arquivo da categoria: Curiosidades

Trabalhar dá Câncer!

Vinte mil pessoas no país terão câncer por causa do emprego

São 19 os tipos de câncer que podem ser ligados ao trabalho, diz o Inca. Entre os principais estão os de pulmão, pele, laringe, bexiga e as leucemias. Os profissionais em risco vão desde cabeleireiros até pilotos de avião.

[Via Chongas]

Então eu estou a salvo 😀 ( por enquanto =/) uahsuahsuhaushuahsuhauhauhsuahsuh

Anúncios

Charlie Sheen: “Cansei de fingir”

“Cansei de fingir  que Ashton Kutcher não é um lixo”

Inicialmente ele disse que Two And a Half Men seria apenas uma cópia requentada de si mesma sem ele no papel principal. Um tempo depois ele aparece dizendo que era até grato a Ashton Kutcher, pois lhe foi concedida uma nova sobrevida após seu funeral simbólico no episódio de reestreia.

E enquanto aquele sua nova série Anger Managementnão estreia ele permanece dando suas patadas, geralmente direcionadas à série agora protagonizada por Kutcher e seja lá quem diabo esteja envolvido com ela.

O mais novo episódio das aventuras de Charlie foi veiculado pelo TMZ, onde aquele tiozinho principal do programa bate um papo rápido com Sheen pelo telefone, e o assunto é Two and a Half Men e seus rumos com Kutcher no papel principal.

Cansei de mentir. Cansei de fingir que o programa não está um lixo, que Ashton Kutcher não é um lixo. […] Não é nada pessoal (com Ashton). Me sinto mal por ele… Ele se contentou com um texto muito ruim.

Fonte:Judão

É já estava demorando essa “revelação” hahahahhaha 😀

Facebook e Twitter viciam mais que cigarro e álcool


Pesquisa da Universidade de Chicago (EUA) concluiu que é mais difícil uma pessoa deixar de usar redes sociais, como o Facebook e o Twitter, do que largar cigarro ou álcool – tidos como altamente viciantes.

Não acredita ? Olhe abaixo 😀

Cuidando do Filho…

Passeando de carro…

No bar…

Jantando…

Naquela conversa com sua melhor amiga…

No museu…

No cafézinho…

E no parque…

Menino ou Menina?

Pais guardaram segredo do “sexo” da criança por 5 anos para criá-lo como “sexo neutro”.

Um casal criou seu filho até o 5 anos de idade como “sexo neutro”. No final das contas acabou saindo menino mesmo, já que a torneirinha estava lá, mas por 5 anos eles deixaram ele “neutro” para que não sofresse influenci

Couple raise child as 'gender neutral' to avoid stereotypinga da sociedade.

Os pais só davam brinquedos “neutro” e durante estes 5 anos eles vestiam a criança alternando entre ro

Mas quando Sasha, um nome também neutro, entrou na escola ficou mais difícil de manter a criança como neutra. E eles, enfim, acabaram falando que Sasha é um garoto.upas de menino e de menina. E tudo isso porque a mãe não queria que ele sofresse nenhum tipo de preconceito.

Tem doido para tudo !!  :O 

Por que jogar no PC ainda é tão complicado?

Entre os motivos principais estão a enorme lista de componentes de hardware a serem considerados.

(Fonte BaixakiJogos)

Finalmente aquele título que você tanto esperava chegou ao mercado. Você vai correndo até a loja – muitas vezes chegando a ficar horas esperando em fila – e finalmente consegue colocar as mãos em sua tão sonhada cópia. Em casa, coloca o disco no drive, inicia o game e uma jornada de muitas horas de diversão. Ou não, caso o PC seja sua plataforma principal.

Se você utiliza o computador para jogar, com certeza já se deparou com títulos que simplesmente não funcionavam em sua máquina. Seu equipamento está de acordo com os requisitos do game, tudo está perfeitamente atualizado, mas, ainda assim, aquele maldito jogo insiste em travar logo na abertura. Mas por que?

Ao contrário do que um teórico da conspiração possa pensar, a razão não tem nada a ver com lobby da indústria de consoles ou com possíveis “ismos” das desenvolvedoras. As razões para isso são diversas, mas, em alguns casos, podem sim ser atribuídas às desenvolvedoras.

Em segundo plano

Restos de uma era de trevas

Enquanto nos anos 90 os PCs eram a plataforma com alguns dos principais games do mercado – normalmente títulos exclusivos e clássicos absolutos – a década seguinte representou um declínio dessa indústria, com o PlayStation chamando todas as atenções para si. A chegada do Steam, porém, trouxe de volta o antigo período de glórias e auxiliou os computadores a estarem, novamente, em pé de igualdade com os consoles.

Algumas desenvolvedoras, porém, ainda carregam um pouco dessa mentalidade antiga e renegam o PC ao segundo plano, sempre privilegiando a produção de títulos para consoles. Um exemplo é a Capcom que, normalmente, lança seus títulos primeiro para os video games, marcando uma data posterior para os ports para computador.

Muitas vezes, a conversão dos títulos acaba ficando sob a responsabilidade de outra produtora e o resultado nem sempre é satisfatório. É o caso da versão de Resident Evil 4 para PCs, considerada um dos piores ports já lançados. Desenvolvida pela Ubisoft,  e apresenta uma total ausência de iluminação e detalhes. O suporte ao mouse também foi, inexplicavelmente, deixado de fora.

A mesma coisa se repete em outras produtoras. A solução para isso sempre vem da comunidade de fãs, que libera patches e modificações que solucionam problemas gráficos e melhoram a performance dos títulos. É um trabalho a mais para quem quer jogar seus games de forma decente nos PCs.

Isso quando as versões não apresentam bugs motivados pela falta de cuidado na programação. É o caso, por exemplo, de The Elder Scrolls V: Skyrim. O jogo do ano também é um dos mais problemáticos de 2011, muitas vezes motivando que os aventureiros utilizem comandos de texto para que a saga continue em seu curso normal. A solução, mais uma vez, veio pelas mãos dos fãs e não por meio de uma atualização oficial.

Gráficos superiores

Mas só para quem entende

Que os jogos para PC normalmente apresentam visuais bem melhores que os para consoles todo mundo sabe. O problema é que, muitas vezes, é preciso trabalhar um pouco nas configurações para fazer com que o título funcione da melhor maneira possível na sua máquina.

Normalmente, estas configurações estão presentes de forma amigável no próprio menu do game. Modificações em resolução e nível de qualidade de texturas estão lá para serem alteradas de forma simples e clara. Até que o jogador se depare com termos como antialiasing, efeitos volumétricos e qualidade pós-processamento.

Para muitos, o processo de otimizar a configuração acaba se transformando em um jogo de tentativa e erro. O gamer altera uma opção e verifica para ver se tudo está funcionando bem. Então, volta para as opções e continua mexendo, até encontrar a melhor combinação de parâmetros.

Isso levando em conta que todas as configurações possíveis vão estar disponíveis nos menus do próprio game. Na versão de Limbo para PC, por exemplo, só é possível deixar o título com resolução 1080p por meio da edição manual de arquivos de configuração, uma tarefa para usuários bem avançados. O restante pode contar com a ajuda do Google ou se conformar com um desempenho abaixo do possível.

Falta de padrão

A grande variedade de placas e componentes pode não ser tão boa assim

Consoles, por natureza, são caixas fechadas. Todos os PlayStation 3 são iguais entre si, e o mesmo vale para o Xbox 360. Isso torna problemas de incompatibilidade quase inexistentes, uma vez que os títulos também se tornam conjuntos coesos, feitos especificamente para um tipo de hardware.

Nos PCs, a realidade é bem diferente. Existem inúmeros modelos de processadores e placas de vídeo, que podem ser unidas em infinitas combinações. Criar um game para um conjunto tão disperso assim não é tarefa das mais fáceis e normalmente resulta em travamentos ou falhas gerais.

 (Fonte da imagem: Tech Mynd)

Call of Duty: Modern Warfare 3 não pode ser iniciado porque o arquivo troll.dll não foi localizado. Crysis 2 encontrou problemas e será fechado. Entre em contato com o suporte técnico de sua placa de vídeo. Problemas de incompatibilidade que, às vezes, podem ser resolvidos com uma simples modificação de nome de arquivo ou outra modificação básica.

Em outros casos, a solução é mais complicada. É preciso executar diagnósticos, baixar atualizações específicas e mexer em configurações altamente técnicas, que podem envolver desde a quantidade de núcleos do processador até a forma como a placa de vídeo lida com cada textura dos títulos.

Enquanto isso, os jogadores de consoles já estão terminando o primeiro capítulo do jogo que você tanto estava esperando…

Katy Perry deve transformar seu show em filme 3D!

Justin BieberGlee. E agora pode ser que tenhamos a chance de ver Katy Perry esfregando os peitões em nossas faces — em 3D, nos cinemas. Ela está negociando com a Paramount a produção de um show pra ser lançado nas telonas. 🙂

Obviamente que a parte de “esfregar os peitões” em nossas faces é o que aconteceria no melhor filme do Mundo, num universo utópico, bastante parecido com a minha mente. Até porque, pelo que eu entendi do Glee: the 3D Concert Movie, o efeito de três dimensões é fraco, só pra dar uma profundidade e olhe lá.

De acordo com o Hollywood Reporter, nenhum detalhe foi fechado ainda, nem mesmo o filme foi 100% confirmado. Mas, a Paramount já estaria pensando em fazer o filme — que além do show teria um documentário junto, óbvio — nos mesmos moldes do Never Say Never, do Justin Bieber. Ainda mais porque deu ótimos resultados. 😀

Australiano constrói machado gigante para fazer “trollagem” no carro do amigo

”Guerra de trotes culminou com um machado de 12 metros e um carro partido ao meio”

O que começou como uma simples brincadeira ganhou proporções épicas quando um machado com mais de 12 metros partiu um carro ao meio. Dois amigos australianos começaram uma inocente guerra de trotes até que o “Joselito” local resolveu apimentar as coisas. A proeza custou boa parte das economias do rapaz e muito tempo de uma equipe de engenheiros sádicos, mas o difícil mesmo foi explicar o “acidente” para a seguradora.

Veja o vídeo abaixo :