Arquivo da categoria: Notícias

10 years WordPress // 27/05/2003 – 27/05/2013

No dia 27/05 WordPress completa 10 anos!

2013-05-28-image-8

10 years WordPress

 

Anúncios

Charlie Sheen: “Cansei de fingir”

“Cansei de fingir  que Ashton Kutcher não é um lixo”

Inicialmente ele disse que Two And a Half Men seria apenas uma cópia requentada de si mesma sem ele no papel principal. Um tempo depois ele aparece dizendo que era até grato a Ashton Kutcher, pois lhe foi concedida uma nova sobrevida após seu funeral simbólico no episódio de reestreia.

E enquanto aquele sua nova série Anger Managementnão estreia ele permanece dando suas patadas, geralmente direcionadas à série agora protagonizada por Kutcher e seja lá quem diabo esteja envolvido com ela.

O mais novo episódio das aventuras de Charlie foi veiculado pelo TMZ, onde aquele tiozinho principal do programa bate um papo rápido com Sheen pelo telefone, e o assunto é Two and a Half Men e seus rumos com Kutcher no papel principal.

Cansei de mentir. Cansei de fingir que o programa não está um lixo, que Ashton Kutcher não é um lixo. […] Não é nada pessoal (com Ashton). Me sinto mal por ele… Ele se contentou com um texto muito ruim.

Fonte:Judão

É já estava demorando essa “revelação” hahahahhaha 😀

Facebook e Twitter viciam mais que cigarro e álcool


Pesquisa da Universidade de Chicago (EUA) concluiu que é mais difícil uma pessoa deixar de usar redes sociais, como o Facebook e o Twitter, do que largar cigarro ou álcool – tidos como altamente viciantes.

Não acredita ? Olhe abaixo 😀

Cuidando do Filho…

Passeando de carro…

No bar…

Jantando…

Naquela conversa com sua melhor amiga…

No museu…

No cafézinho…

E no parque…

Por que jogar no PC ainda é tão complicado?

Entre os motivos principais estão a enorme lista de componentes de hardware a serem considerados.

(Fonte BaixakiJogos)

Finalmente aquele título que você tanto esperava chegou ao mercado. Você vai correndo até a loja – muitas vezes chegando a ficar horas esperando em fila – e finalmente consegue colocar as mãos em sua tão sonhada cópia. Em casa, coloca o disco no drive, inicia o game e uma jornada de muitas horas de diversão. Ou não, caso o PC seja sua plataforma principal.

Se você utiliza o computador para jogar, com certeza já se deparou com títulos que simplesmente não funcionavam em sua máquina. Seu equipamento está de acordo com os requisitos do game, tudo está perfeitamente atualizado, mas, ainda assim, aquele maldito jogo insiste em travar logo na abertura. Mas por que?

Ao contrário do que um teórico da conspiração possa pensar, a razão não tem nada a ver com lobby da indústria de consoles ou com possíveis “ismos” das desenvolvedoras. As razões para isso são diversas, mas, em alguns casos, podem sim ser atribuídas às desenvolvedoras.

Em segundo plano

Restos de uma era de trevas

Enquanto nos anos 90 os PCs eram a plataforma com alguns dos principais games do mercado – normalmente títulos exclusivos e clássicos absolutos – a década seguinte representou um declínio dessa indústria, com o PlayStation chamando todas as atenções para si. A chegada do Steam, porém, trouxe de volta o antigo período de glórias e auxiliou os computadores a estarem, novamente, em pé de igualdade com os consoles.

Algumas desenvolvedoras, porém, ainda carregam um pouco dessa mentalidade antiga e renegam o PC ao segundo plano, sempre privilegiando a produção de títulos para consoles. Um exemplo é a Capcom que, normalmente, lança seus títulos primeiro para os video games, marcando uma data posterior para os ports para computador.

Muitas vezes, a conversão dos títulos acaba ficando sob a responsabilidade de outra produtora e o resultado nem sempre é satisfatório. É o caso da versão de Resident Evil 4 para PCs, considerada um dos piores ports já lançados. Desenvolvida pela Ubisoft,  e apresenta uma total ausência de iluminação e detalhes. O suporte ao mouse também foi, inexplicavelmente, deixado de fora.

A mesma coisa se repete em outras produtoras. A solução para isso sempre vem da comunidade de fãs, que libera patches e modificações que solucionam problemas gráficos e melhoram a performance dos títulos. É um trabalho a mais para quem quer jogar seus games de forma decente nos PCs.

Isso quando as versões não apresentam bugs motivados pela falta de cuidado na programação. É o caso, por exemplo, de The Elder Scrolls V: Skyrim. O jogo do ano também é um dos mais problemáticos de 2011, muitas vezes motivando que os aventureiros utilizem comandos de texto para que a saga continue em seu curso normal. A solução, mais uma vez, veio pelas mãos dos fãs e não por meio de uma atualização oficial.

Gráficos superiores

Mas só para quem entende

Que os jogos para PC normalmente apresentam visuais bem melhores que os para consoles todo mundo sabe. O problema é que, muitas vezes, é preciso trabalhar um pouco nas configurações para fazer com que o título funcione da melhor maneira possível na sua máquina.

Normalmente, estas configurações estão presentes de forma amigável no próprio menu do game. Modificações em resolução e nível de qualidade de texturas estão lá para serem alteradas de forma simples e clara. Até que o jogador se depare com termos como antialiasing, efeitos volumétricos e qualidade pós-processamento.

Para muitos, o processo de otimizar a configuração acaba se transformando em um jogo de tentativa e erro. O gamer altera uma opção e verifica para ver se tudo está funcionando bem. Então, volta para as opções e continua mexendo, até encontrar a melhor combinação de parâmetros.

Isso levando em conta que todas as configurações possíveis vão estar disponíveis nos menus do próprio game. Na versão de Limbo para PC, por exemplo, só é possível deixar o título com resolução 1080p por meio da edição manual de arquivos de configuração, uma tarefa para usuários bem avançados. O restante pode contar com a ajuda do Google ou se conformar com um desempenho abaixo do possível.

Falta de padrão

A grande variedade de placas e componentes pode não ser tão boa assim

Consoles, por natureza, são caixas fechadas. Todos os PlayStation 3 são iguais entre si, e o mesmo vale para o Xbox 360. Isso torna problemas de incompatibilidade quase inexistentes, uma vez que os títulos também se tornam conjuntos coesos, feitos especificamente para um tipo de hardware.

Nos PCs, a realidade é bem diferente. Existem inúmeros modelos de processadores e placas de vídeo, que podem ser unidas em infinitas combinações. Criar um game para um conjunto tão disperso assim não é tarefa das mais fáceis e normalmente resulta em travamentos ou falhas gerais.

 (Fonte da imagem: Tech Mynd)

Call of Duty: Modern Warfare 3 não pode ser iniciado porque o arquivo troll.dll não foi localizado. Crysis 2 encontrou problemas e será fechado. Entre em contato com o suporte técnico de sua placa de vídeo. Problemas de incompatibilidade que, às vezes, podem ser resolvidos com uma simples modificação de nome de arquivo ou outra modificação básica.

Em outros casos, a solução é mais complicada. É preciso executar diagnósticos, baixar atualizações específicas e mexer em configurações altamente técnicas, que podem envolver desde a quantidade de núcleos do processador até a forma como a placa de vídeo lida com cada textura dos títulos.

Enquanto isso, os jogadores de consoles já estão terminando o primeiro capítulo do jogo que você tanto estava esperando…

Anonymous : “Março Negro” na internet

Grupo planeja uma série de ações em protesto ao SOPA, PIPA e ACTA.

(fonte: Tecmundo)

O mês de março promete ser tumultuado na internet. O Anonymous está convocando todos os adeptos da ideia a participar de uma série de protestos durante todo o mês, tanto no mundo virtual quanto no mundo real.

A proposta é que durante os 31 dias as pessoas não comprem jornais e revistas, não baixem músicas, legal ou ilegalmente, não comprem livros, não assistam a filmes no cinema e evitem comprar jogos e DVDs.

O intuito da “Operação Março Negro” é causar um impacto na indústria de entretenimento, de forma a protestar contra as propostas do SOPA, do PIPA e do ACTA. A ação deve ter escala mundial e mais detalhes sobre a iniciativa serão revelados ao longo do mês.

Retorno do Black Sabbath com a formação original já não está mais tão garantido

Primeiro um jornalista divulgou que a banda estaria voltando, horas depois Iommi divulga uma nota oficialpraticamente mandando o sujeito que publicou a informação tomar no loló e negando tudo. Meses depois eles organizam meio que de supetão um evento numa casa de shows em Hollywood, onde anunciam oficialmente o retorno, com datas de shows e tudo mais. Todos comemoram.

Mas recentemente pelo menos dois contratempos vem fazendo a gente acreditar que tá entrando areia na porra toda. Primeiro Tony Iommy é diagnosticado com linfoma, um tipo de câncer no sistema linfático. As sessões de gravação da banda tiveram até que sofrer um certo remanejamento por conta disso.

Agora o baterista Bill Ward divulga um comunicado onde diz estar puto com a maneira com que as coisas estão sendo tratadas, e ameaçou não participar da brincadeira caso não sejam feitas mudanças. “Se eu assinar isso como está, perderei meus direitos, dignidade e respeito como músico de rock“, disse o vovô.

O comunicado pode ser lido na íntegra lá no site da Rolling Stone, mas só o primeiro parágrafo já mostra a que o texto todo veio:

Neste momento, eu não gostaria de nada além de poder dar continuidade ao disco e à turnê do Black Sabbath. No entanto, não posso continuar, a não ser que seja feito um contrato “assinável”; um contrato que reflita um pouco de dignidade e respeito a mim, como membro original da banda. Ano passado, eu trabalhei de boa fé com Tony, Ozzy e Geezer. E em 11/11/11, novamente de boa fé, participei da coletiva de imprensa em Los Angeles. Alguns dias atrás, depois de quase um ano tentando negociar, outro contrato “não-assinável” foi entregue a mim.

Resident Evil 6 analise do jogo

Lembram daquela época quando alguém falava de “jogo de zumbi” e na hora vinha Resident Evil à mente? Sim, os três primeiros jogos da série da Capcom eram truncados, mas eram absolutamente sensacionais. O primeiro tinha aquela dificuldade de filho da puta, o segundo deixou a parada cinematográfica, e o 3 fechou bem o arco “Racoon City”. Só que aí jogos de zumbi começaram a ficar mais populares.

Hoje em dia existem trocentos jogos de zumbi, alguns legais, outros que são uma bosta, e a série Resident Evil se distanciou daquele início glorioso. Resident Evil 4 já colocou como inimigos vilas europeias tomadas por um parasita bizarra, enquanto a ação de Resident Evil 5 colocava o jogador na África, novamente sem zumbis. Mas parece que isso vai mudar.

Provavelmente na tentativa de tomar pra si novamente o posto de “Jogo de Zumbi”, Resident Evil 6 é anunciado, tem trailer divulgado e mostra que zumbis devem estar de volta, mas ainda rolam algumas ressalvas. Primeiro, veja o trailer.

Três personagens: Leon, Chris e um sujeito aleatório que pode acabar sendo legal. 10 anos depois de Racoon City. Até aí tá tudo indo muito bem, mas cadê o “survival horror” dos primeiros jogos? Pode ser que o jogo seja foda, mas ele virou muito mais um jogo de ação do que de sobrevivência, tenso como os antigos. Agora se eles conseguirem fazer isso funcionar, aí seremos surpreendidos de verdade.

(Resident Evil 6 será lançado para Xbox 360 e PS3 no dia 20 de novembro, e numa data posterior para PCs.)

[Via: Judão]